Pintura com Educação Especial – Painting with Special Education (2013)


Um dos meus lemas para tudo que faço é: “faça e exija o máximo de si. Não seja refém de suas ferramentas, faça tudo o que puder com elas em todas as oportunidades.”

One of my life rules is: “do everything you can and force yourself to try your best. Don´t be a hostage of your tools, but use them´all whenever you can”.

Lucas Matumoto

Lucas Matumoto

Pois bem, no início do ano passado, a escola onde trabalho [e onde estudei] sugeriu que eu fizesse um projeto de Pintura com meus alunos da educação especial (até então, minhas aulas de Arte eram para Ensino Fundamental e Médio. Na Educação Especial, lecionava apenas Música). Não me exigiram nenhuma técnica em especial, apenas um prazo para que tudo estivesse pronto em Dezembro, mês que faríamos uma exposição.

Well, on the beggining of 2013, the school where I work [and studied] suggested me to develop a Painting art project for my students with special needs [till that moment, my Art classes were for Elementary to High School. For Special Education, i was teaching only Music). They did not specified any technique, only a deadline (December, so we could do an Art Expo).

Mãos a obra: Fevereiro, montei um cronograma com listas de atividades de pintura simplificadas para todos os alunos, sem distinção. Entendam como “Educação Especial” necessidades/síndromes diversas. O ideal e sistemático seria listar uma a uma, aluno por aluno. Ou seja, excluir o ‘fator surpresa’. Deixei montado cada atividade, cada avaliação e estratégia até Novembro, e entreguei para a Direção. Em Abril/Maio apresentei uma técnica básica de luz/sombra com tinta guache escolar para algumas das professoras que ajudariam no processo. Como passava de uma centena de alunos, não poderia fazer tudo sozinho.

So, time to work: on February, I did a list of simplified painting activities for all the kids, no distinction. Please, read “Special Education” as a lot of special needs or syndromes. The ‘right’ thing to do was: divide each group of students by their needs. It means: delete the “surprise-factor!’. I had everything planned till November and then delivered the list for the school. Between April/May I introduced a lightning/shading exercise for some of my colleagues that were going to help me with it all. We were dealing with more than 100 kids, so it was impossible to do all by myself.

Lucas Câmara

Lucas Câmara

Acredito que observando as fotos da exposição mais adiante vocês identifiquem quais as ‘necessidades’ de cada aluno. Ao final do processo de atividades, no início de Agosto, ficou claro que a maioria dos alunos teria possibilidade de trabalhar com grande autonomia em telas 20×30, utilizando tinta acrílica. Com grande autonomia não quero dizer que soltamos litros de tinta para cada um e torcemos para que tivessem memorizado cada etapa de cada exercício aplicado no primeiro semestre. A ‘técnica’ que escolhi consiste em pintar grandes áreas ‘aquarelando’ a tinta acrílica, usando algodões para colocá-la na tela e posteriormente agregar os detalhes com a tinta em sua ‘densidade natural’.

I believe that looking at the photos ahead you´ll identify the ‘necessities’ of each kid. At the end of the ‘training process’, beggining August, was clear enough for me that most of the kids were able to work with great autonomy on 20x30cm canvas and acrylic paints. With great autonomy I don´t wanna mean that we let the kids use completely free liters of paint e were hoping they had memorized each step of each exercise from the 1st semester. The “technique” that I decided to use consists on painting large areas ‘watercoloring’ the acrylics, using cotton pads as brushes and then add the details with the acrylics on it´s ‘natural density’.

Student Gabriel Almeida

Gabriel Almeida

A primeira vez que usei esta técnica ou algo similar foi quando eu ainda era muito jovem, com 8 para 9 anos ou 10 anos (hoje tenho 23), orientado pela professora Miriam e no ano seguinte, pelo professor Ricardo Brunelli (entre 1998~2000) nas aulas de Arte do colégio. Não me recordo o sobrenome da Prof.ª Miriam, mas sei que tanto ela quanto o Ricardo foram dois dos grandes responsáveis por ‘me educar artisticamente’. Não preciso citar que pai e mãe contribuíram também, mas neste caso, não só para a Arte. O fato é que fiquei encantado desde o primeiro dia que conheci tal técnica e reconheço ter sido um aluno cretino e insignificante, acho vergonhoso não me recordar do nome de alguém que me apresentou algo muito valoroso (Miriam) e não ter sido esforçado o suficiente pra ficar na memória do outro professor (Ricardo. Encontrei ele no orkut anos e anos depois e ele não fazia a menor ideia de quem eu era. Mas OK. Mea culpa.)

First time I used this technique I was really young, probably around 8 to 10 years (actually I´m 23), guided by teacher Miriam and on the next years, by teacher Ricardo Brunelli during my art classes on Elementary School. I don´t remember the last name of teacher Miriam, but I know that her and Ricardo were two important pieces on my artistical education. I don´t need to say that my family was pretty important too, but not only for Arts. Fact is that I got caught by this technique from the very first moment I saw it and I recognize I was a pretty bad and insignificant student, I feel ashamed for not remembering the full name of someone so important and for not being dedicated to Art enough to be marked on the mind of teacher Ricardo (I found him on orkut years and years later e he has absolutely no idea about who I was. But OK. My fault).

Como vocês podem ver no vídeo postado no início da publicação, a parte mais rápida da pintura exposta foi o cenário, feito com a mesmíssima técnica que usei para mais de 90% das telas dos alunos da Educação Especial. A lista de material solicitada foi EXTREMAMENTE reduzida para este projeto, pois como disse: não sou refém das minhas ferramentas de trabalho. Uso cada uma ao extremo, e incentivo os alunos a fazer o mesmo. Foram solicitados: telas de pintura, tintas acrílicas sortidas [3 para cada aluno], pincéis de tamanhos sortidos e bolinhas de algodão. E SÓ. Cada aluno já havia sido treinado a manejar os algodões, tintas e pincéis, os professores  também tiveram breves contatos para poder ajudar a lidar com os alunos e colaborar com o andamento dentro do projeto dentro dos prazos.

As you can see on the video posted in the beggining of this post, the fastest part of that painting was the background, done with the same technique used for more than 90% of the artboards painted by the kids of Special Education. The list of tools requested was EXTREMELY reduced for this project, because as I said: i´m not a hostage of my tools. I use each one as far as they can go, and I teach the kids to do the same. We used: canvas, acrylics, brushes and cotton pads. AND THAT´S ALL. Each student was already trained and ‘tested’ with the cotton pads, brushes and paints, the other teachers were already introduced to the exercises and tips to help the kids to end it all on time for our expo.

Rita e Prof.ª Amanda / Rita & Teacher Amanda

Rita e Prof.ª Amanda / Rita & Teacher Amanda

Nota 1: incluímos os alunos do Ensino Fundamental I e Infantil para um projeto de pintura paralelo, fazendo suas próprias criações ao estilo do artista Romero Britto. Deixo claro que não aprecio arte alguma de Romero Britto, e costumo dizer que o mesmo faz parte da grande ‘idiotização’ da Arte. Ele me parece pedagógico para alguém com no máximo 6 anos de idade. Artisticamente interessante para alguém com no máximo 5. Nada pessoal, não o conheço e confesso que até tenho certa curiosidade em um dia conhecê-lo. Mas sua produção artística não se encaixa com minhas opiniões e apreços.

Nota 2: fiz o traçado/base/contorno de cada tela, de cada criança. O projeto envolvia PINTURA. Não haveria tempo suficiente para que em menos de um ano ensinássemos e orientássemos jovens da Educação Especial ou não a desenhar e pintar com extrema fidelidade o que gostariam de retratar.

Nota 3: para algumas turmas da Educação Especial que eu não leciono ou tenho um contato reduzido, tive ajuda da professora AMANDA SANTOS para selecionar qual a melhor técnica a ser utilizada. Como disse antes, não seria possível desenvolver tudo isso sozinho.

Note 1: we included the kids from Elementary for a side-project, doing their own creations following the style of Romero Britto. Let me be clear enough: i dislike everything produced by Romero Britto, and I usually say that he´s part of the “Art Idiotization”. For me, he sounds educational for someone around 6 years old. As artist, interesting for someone 5y.o., at maximum. Nothing personal, I never met him and I confess I am a bit interested on it. But his art stuff just don´t  match with my opinions and appeciations.

Note 2: I did all the guiding traces on each canvas, for each student. This project was about PAINTING. Unable to teach in less than a year a kid, special or not, to draw, paint and etc. as perfect as they wish.

Note 3: for some groups that I´m not the teacher or that I have a smaller interaction, I was helped by teacher AMANDA SANTOS to choose the best way and method to work. As I said before, would not be possible to do it all by myself.

Espero que gostem das fotos, comentem, compartilhem e incentivem a Arte nas escolas, desde cedo.

Hope you enjoy, comment and share it, and also motivate Art on schools, since the early years of our kids.

Me, explaining the process - 1st day

Me, explaining the process – 1st day – Dec/11/2013

Me & Sona Karamekian (School´s Principal)

Me & Sona Karamekian (School Principal)

Telas cobertas

Telas cobertas

Telas cobertas

Telas cobertas

rodolfofoto@uol.com.br

Me - 2nd day

Me – 2nd day – Dec/12/2013

Conheça o Colégio São José do Maranhão/Visit São José do Maranhão School´s Website:

http://www.colegiosjmaranhao.com.br

MEUS DESENHOS EM “SPEED DRAWING” – TV & CINEMA

Durante este ano estarei gravando vídeos produzindo meus desenhos, do início ao fim.

During this year I´ll be recording on video my drawing process, from the first till the last second.

Este post será atualizado a medida que novos vídeos e desenhos forem publicados.

This post will be update as new videos and drawings gets completed and posted.

Slade Wilson

Slade Wilson

Meus desenhos em “Speed Drawing” – Projeto Muses

Não sou muito de seguir tendências, mas acabei cedendo a esta…

I´m not usually following tendencies, but this one really got me… 

Durante este ano estarei gravando vídeos produzindo meus desenhos, do início ao fim.

During this year I´ll be recording on video my drawing process, from the first till the last second.

Este post será atualizado a medida que novos vídeos e desenhos forem publicados.

This post will be update as new videos and drawings gets completed and posted.

Este projeto consiste em fazer coleções de desenhos para modelos e amigas que conheci no Facebook ou DeviantArt ou por minhas viagens.

This project is about creating collections of drawings for models and friends I´ve met over Facebook or Deviantart or during my trips.

Modelos do projeto/Models: Jekaterina Ivleva (Estonia)| Mari Galbanutoaei (Romênia/Romania) | Lisa Schon (Alemanha/Germany)| Mara Marques (Portugal)| Raquel Vilafranca (Espanha/Spain)

Retrato - Mari

Retrato – Mari

Mari

Mari

Retrato - Jekaterina

Retrato – Jekaterina

Mara Marques

Conheçam aqui uma série de retratos que venho desenvolvendo desde 2012 de minha amiga e modelo Mara Marques, de Portugal.

Mara Marques II

Você pode comprar uma réplica deste desenho em tamanhos 20x25cm até 43x58cm e outros formatos neste link!Mara Marques III Mara Marques IV Mara MarquesTodos estes desenhos foram elaborados a partir de fotografias enviadas pela modelo, com a devida autorização.

Espero que gostem!

Os materiais utilizados foram:

Lápis: Cretacolor CLEOS, Sakura Bruynzeel, Cretacolor Marino, Caran D´Ache Prismalo, Staedtler Noris Club;

Papeis: Winsor & Newton Bristol Board, Winsor & Newton Medium Surface.

Material de Desenho – atual

Boa-noite!

Work In Progress - Titanic - by Gabriel Fox

Work In Progress - Titanic - by Gabriel Fox

Este post não é voltado para servir como dicas de desenho ou algo assim, estou digitando-o apenas para tecer alguns comentários e apresentar o material de desenho que utilizo para trabalho, diferenciado do que mostrei nos posts anteriores, que uso para dar aula e fazer desenhos rápidos (ou quando eu tô sem grana e quero desenhar mesmo, ehehe!).

Lápis

Lápis

Caixa de lápis: Cretacolor CLEOS. Esta aí tem do 2H ao 9B. De reserva, tenho alguns Koh-I-Noor (na foto, um 8B, a esquerda). Confesso que a Cretacolor dá de 10 a zero em todas as outras marcas que já experimentei. 2H faço todo o rascunho do desenho, o que era feito com o HB Faber Castell nos textos passados.

Work In Progress - Jodhaa Akbar - by Gabriel Fox

Work In Progress - Jodhaa Akbar - by Gabriel Fox

Papel: são QUATRO os tipos de papel que tenho usado. O que mais tenho usado é o Winsor & Newton Smooth Surface Cartridge Pad (esse aí, do desenho acima). Para os desenhos com um pouco mais de textura (como aquele ali do Titanic, no início do texto) uso o Winsor & Newton Medium Surface Cartridge Pad.  Para treinos, estudos e rascunhos, uso os papéis Acervo Debret, que além de desenho são legais pra pintura também. Só pecam na cola do bloco, vira e mexe o bloco fica sem capa 😦

Papel

Papel

Muito pouco tenho utilizado aquele papel com textura de tela de pintura da Filiart Renauld, não que ele seja ruim, mas tem algo nele que me ataca uma alergiazinha chata nas mãos.

O único motivo para eu não utilizar marcas nacionais/mais baratas é que já tive problemas com QUASE todas. Em alguns casos, haviam ‘bolinhas’ nos papéis com textura. Nos papéis lisos, aparecia um “grãozinho de alguma coisa” na folha. Ou seja, se eu estivesse fazendo um retrato e não percebesse, meu personagem corria sério risco de ganhar uma espinha incorrigível graças a este “efeito” do papel!

Materiais - geral

Materiais - geral

Bom, o que temos aqui: toquinhos de lápis Koh-I-Noor 8B. Eles não tem muita utilidade, na verdade, estão aí sem terem sido convidados para a festa…

ESFUMINHOS: 1, 3 e 6 -> sim, senhores, eu uso! Por uma questão de segurança em aula, começo instruindo as crianças a utilizarem algodões/bastões com algodão para substituir o esfuminho (que deve ser apontado com ESTILETE). BORRACHA macia Mercur, a mesma que utilizo em aulas, só muda o tamanho/formato na foto. LIXA DE UNHA, para limpar a BORRACHA. Há quem limpe cortando-a com a tesoura, o que eu acho um desperdício =(

Apontador com Stop Signal -> a diferença entre apontar com estilete ou apontador o seu lápis é o tempo que sua ponta ficará ‘afiada’. Eu prefiro o apontador, por fazer menos sujeira, sou desastrado o suficiente para colocar meu desenho (ou a minha vida!) em risco com um estilete e um lápis por  perto.

Mais uma vez, gostaria de dizer que seu material é APENAS um atalho para você expressar, trabalhar ou praticar suas habilidades. Não desenho mal quando utilizo materiais menos custosos, nem desenho melhor utilizando materiais mais caros, apenas tenho recursos que facilitam meu trabalho e reduzem a necessidade de atenção para “adversidades”.

Para quem puder entrar em contato com estes materiais, devo dizer que considero-os os mais prazerosos de utilizar e um investimento muito bem recompensado!

Abaixo, os desenhos concluídos:

Titanic - by Gabriel Fox

Titanic - by Gabriel Fox

Titanic: Winsor & Newton Medium Surface Cartridge Pad, Cretacolor CLEOS

Jodhaa Akbar - by Gabriel Fox

Jodhaa Akbar - by Gabriel Fox

Jodhaa Akbar: Winsor & Newton Smooth Surface Cartridge Pad, Cretacolor CLEOS.

É isso, espero que tenham gostado e encontrem seu “equipamento” pessoal pra desenhar! 🙂

Confiram outros desenhos em http://gabrielfox.deviantart.com

Os números de 2010

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Este blog é fantástico!.

Números apetitosos

Imagem de destaque

Um Boeing 747-400 transporta 416 passageiros. Este blog foi visitado cerca de 3,900 vezes em 2010. Ou seja, cerca de 9 747s cheios.

 

Em 2010, escreveu 2 novo artigo, aumentando o arquivo total do seu blog para 8 artigos. Fez upload de 22 imagens, ocupando um total de 52mb. Isso equivale a cerca de 2 imagens por mês.

The busiest day of the year was 23 de junho with 39 views. The most popular post that day was Desenhando – The Joker.

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram search.naver.com, orkut.com.br, google.com.br, pt-br.wordpress.com e facebook.com

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por joker, coringa batman, iron man, coringa e como desenhar o batman

Atracções em 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

Desenhando – The Joker março, 2009
10 comentários

2

Desenhando – Batman abril, 2009
2 comentários

3

Desenhando – The Iron Man janeiro, 2010
2 comentários

4

Desenhando – The Crow (uso da borracha) junho, 2009
2 comentários

5

Sobre o autor / Contrate março, 2009
4 comentários

Desenhando Batgirl (Yvonne Craig)

Objetivo: criar material de referência de papéis com textura para os alunos.

Vídeo-resumo:

Material utilizado: Papel sem textura 180g/m2, papel vergé 180g/m2, papel com textura de tela 240g/m2.

Materiais

Materiais

1 – LÁPIS HB, 2B, 4B, 6B e 8B

2 – ALGODÃO, substituindo a ferramenta ESFUMINHO

3 – Apontador

4 – Borracha macia

5 – Limpa-tipos

Detalhe do rascunho

Detalhe do rascunho - Papel com Textura de Tela

O rascunho do desenho foi todo feito com lápis HB. Tracei algumas linhas que ajudaram a definir áreas de sombras mais intensas.

Detalhe do rascunho

Detalhe do rascunho - Papel Vergé

O tipo de papel influenciará no traçado/movimento que você executará com o lápis. O papel vergé, por exemplo, tem texturas em linhas horizontais se observado em orientação retrato (vertical). Recomenda-se seguir o sentido da textura.

Olho - Papel Vergé

Olho - Papel Vergé

O olho segue o seguinte processo: o centro é feito com o lápis 8B, o contorno da íris com 4B e seu interior com 2B e 4B. Com o algodão espalhamos o grafite e com o limpa-tipos criamos o efeito de reflexo. O papel vergé que usei tinha cor de madrepérola, os efeitos obtidos nele, além da textura, me agradaram mais que o papel sem textura e com textura de tela de pintura, ambos brancos.

Olho - textura de tela

Olho - textura de tela

O papel de textura de tela gera um efeito útil principalmente na roupa da personagem. Algumas áreas, se tratando de folha A4, perderão um pouco de facilidade e riqueza de detalhes.

Papel sem textura

Papel sem textura

Contorno dos olhos feito com lápis 6B. Na foto, já comecei a preencher a parte preta da máscara, com o lápis 6B. Utilizei o 8B apenas para áreas com detalhes escuros.

Máscara, parte preta concluída

Máscara, parte preta concluída

Máscara - final - textura de tela

Máscara - final - textura de tela

Preenchi toda a área da máscara inicialmente com o lápis 2B. Partes de médio contraste com láis 4B e as mais escuras com 6B e 8B. O algodão foi usado pra misturar os tons em suas áreas de transição. Com o limpa-tipos, fiz o reflexo da luz na parte superior da máscara.

Máscara - final - vergé

Máscara - final - vergé

Na foto: comecei a preencher a parte mais sombreada do rosto apenas com o grafite acumulado no algodão. O realce de sombras foi feito com lápis 2B e 4B.

Cabelo - papel vergé - detalhe

Cabelo - papel vergé - detalhe

Como verão no vídeo, cada fio de cabelo foi traçado com lápis HB. Lápis 4B realçou um pouco dos volumes, e o algodão mesclou os tons. Por fim, lápis 6B e 8B para as partes escuras, garantindo as sombras do desenho.

Cabelo - parte 1 - completos

Cabelo - parte 1 - completos

Na foto os três papéis lado a lado. A gola da roupa foi feita no mesmo procedimento que a máscara.

Sombra do rosto

Sombra do rosto

Toda a sombra do rosto sobre o pescoço foi feita com lápis 6B. Observem no vídeo que aproveitei o momento para iniciar algumas das partes escuras da parte superior direita do desenho também.

Capa, esquerda - papel textura de tela

Capa, esquerda - papel textura de tela

Em resumo: mesmo processo da máscara. Cobrir a área com uma tonalidade (Hb e/ou 2B), misturar tons e realçar sombras com lápis maleável (de 4B a 8B).

Roupa

Roupa

Assim como a máscara: HB primeiro, sobre toda a superfície, lápis 4B para dar volume e com o 6B e 8B, aproveitando as texturas dos papéis, realçar o efeito de pontos que a roupa tem. Os detalhes como a linha do meio da roupa, ou símbolo do morcego e a linha da parte direita foram feitas com lápis 4B e uma ajuda do limpa-tipos.

O processo para concluir o braço direito foi o mesmo, e a capa idem ao processo anterior. Aqui, os desenhos finalizados:

Batgirl - Papel vergé

Batgirl - Papel vergé

Batgirl - Papel textura de tela

Batgirl - Papel textura de tela

Batgirl - Papel sem textura

Batgirl - Papel sem textura

O que mais me agradou foi o papel vergé, produzirei mais desenhos nele. Sobre o papel sem textura, os detalhes da roupa foram feitos, literalmente, na base da “paciência e dos tracinhos”.

Espero que tenham gostado do resumo da produção! 🙂

Foram 8 noite trabalhando nestes desenhos! 🙂